ATUALIZADO: Fake News Bolsonaro e Maia querem fim da estabilidade do servidor público

Política - segunda-feira, 07/10/2019 às 08h41min • Atualizado 09h37min
ATUALIZADO: Fake News Bolsonaro e Maia querem fim da estabilidade do servidor público
Bolsonaro sanciona Lei de Abuso de Autoridade com 19 vetos.

O governo encaminhará ao Congresso, nos próximos dias, o projeto da reforma administrativa, que deve prever o fim da estabilidade para servidores públicos. Em outra proposta, o Executivo vai propor mudanças na regra de ouro, mecanismo que proíbe o governo de fazer dívidas para pagar despesas correntes, como salários, benefícios de aposentadoria, contas de luz e outros custeios da máquina pública.

O acerto foi feito nesse domingo entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Jair Bolsonaro, em um encontro fora da agenda no Palácio da Alvorada. Segundo Maia, o novo texto da regra de ouro terá “gatilhos para controlar as despesas obrigatórias do governo”. Ele considera “prioridade” o envio de propostas que possam controlar gastos.

“Precisamos, rapidamente, controlar os gastos, porque, senão, tudo que a gente vem fazendo se perde. O Estado nunca será eficiente se as despesas correntes continuarem crescendo em detrimento da capacidade de investimento do estado brasileiro”, disse.

De acordo com o presidente da Câmara, foi acertado ainda um novo texto para tratar da partilha dos recursos do megaleilão do pré-sal, marcado para 6 de novembro, garantindo a participação de 15% dos estados do total arrecadado, e igual fatia para os municípios.

Na semana passada, o governo propôs dividir os R$ 106,5 bilhões que devem ser arrecadados da seguinte forma: depois do pagamento de R$ 33,6 bilhões à Petrobras, estados, municípios e parlamentares ficariam, cada um, com 10%, o que corresponderia a R$ 7,3 bilhões. O Rio teria R$ 2,19 bilhões e a União, a fatia maior de R$ 48,9 bilhões. Maia afirmou a Bolsonaro que a proposta da equipe econômica não tem chance de passar no Congresso

“O grande problema é que os estados do Sul, do Centro-Oeste e do Sudeste também querem participar dos 15% (que caberiam aos governos regionais). Nós vamos construir um texto em conjunto, que vai ser votado muito rápido e vai garantir, ainda este ano, os 15% do Fundo de Participação para os municípios. E a regra dos estados, que o presidente Davi (Alcolumbre) e os líderes do Senado e da Câmara entenderem relevante dos 15%, vamos respaldar também”,
afirmou Maia.

O presidente da Câmara e o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), articulam uma reunião com todos os governadores para tentar acertar a divisão do dinheiro. O objetivo é pôr fim à disputa deflagrada entre os estados do Norte e do Nordeste, maiores contemplados pela proposta aprovada no Senado, e os das demais regiões, que reclamam de terem sido “excluídos” da negociação.

Maia informou ainda que o governo vai encaminhar ao Legislativo, até o dia 17, o novo texto sobre “a regra de ouro” — mecanismo que proíbe o governo de fazer dívidas para pagar despesas correntes. Maia e Bolsonaro estão convencidos de que os gatos com servidores devem ser diminuídos. Quando a regra de ouro é descumprida, os gestores e o presidente da República podem ser enquadrados em crime de responsabilidade.

Bolsonaro nega estar planejando fim da estabilidade de servidores

Após veiculação de notícias a respeito de uma conversa entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que estaria projetando sobre o fim da estabilidade de servidores públicos, Bolsonaro se pronunciou por meio de redes sociais. Negando ter discutido sobre isso com Maia e “com quem quer que seja”, o chefe do Executivo afirma que trata-se de uma “mentira” da mídia.

“Mais uma M-E-N-T-I-R-A da mídia. Nunca discuti esse assunto com quem quer que seja. Querem, a todo custo, agora me colocar contra os servidores”, afirma Bolsonaro em uma postagem no Facebook.

Nos comentários, a legião de fãs do presidente demonstrou apoio, mas algumas pessoas lamentaram a posição de Bolsonaro. “Bem que poderia ser verdade, a estabilidade de algumas categorias é prejudicial à qualidade do serviço”, disse um seguidor. “Qualquer um do setor privado precisa trabalhar bem pra manter o emprego. O mesmo deveria a valer pro setor público!”, afirmou outro.

Fonte: Estado de Minas


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email

%d blogueiros gostam disto: