Terca-Feira, 14 de Julho de 2020

Muitas vezes haverá apenas você e Deus e, acredite, nada faltará!

Entretenimento - sexta-feira, 28/02/2020 às 10h30min
Muitas vezes haverá apenas você e Deus e, acredite, nada faltará!
Imagem .GIF que ilustra campanha publicitária do Governo do Estado de Rondônia sobre o combate ao Coronavírus.

Nunca haverá solidão, se estivermos envolvidos pela paz da nossa boa companhia.

Nem sempre é simples suportar vazios, ouvir o barulho do silêncio de dentro ecoar, revistar nossas gavetas internas abarrotadas de tudo.

Durante a vida, juntamos muitos trajes, vestimos diferentes figurinos, trocamos muitas peças para estar sempre na moda, sempre nos conformes para o momento a seguir.

Passamos muito tempo projetando o futuro, tirando medidas, arquitetando com elegância o dia de amanhã e acabamos por nos esquecer do que de fato precisamos no momento presente.

É importante fazer planos, mas desde que não nos tirem o sossego de uma bela noite de sono. É quase impossível não sonhar e imaginar o que ainda não chegou, mas desde que isso não nos roube a plenitude de estar com o corpo e a mente descansados.

Nem sempre precisaremos buscar muito ou nos conectar com tantos para estar em paz. Às vezes, encontraremos felicidade deitados no sofá, sem pensar em nada, ouvindo o tintilar dos últimos pingos da chuva que já foi embora, respirando lentamente enquanto o café está sendo coado. Permanecer inalterado, apesar do silêncio do outro, do mundo e principalmente do nosso, é tarefa que aprendemos a destrinchar com o tempo, com as circunstâncias.

Nossas inconstâncias acontecem porque necessitamos estar sempre fazendo, indo de encontro, buscando, realizando e não nos atemos ao que é imprescindível agora, neste instante. E, muitas vezes, tudo de que precisamos é apreciar o nada que diz tudo dentro de nós, é ouvir a voz que nos tranquiliza e nos faz acreditar que cada coisa tem a sua vez.

Os dias podem ser traiçoeiros em suas longas horas, podem ser intermináveis, quando não conseguimos viver com sabedoria todos os seus minutos. Inúmeras vezes, valerão mais as anotações num caderno do que o dia da formatura, sorriremos mais com as conversas descontraídas numa roda de amigos do que numa ocasião solene e marcada por comemorações.

Nem sempre precisaremos buscar muito ou nos conectar com tantos para estar em paz. Às vezes, encontraremos felicidade deitados no sofá, sem pensar em nada, ouvindo o tintilar dos últimos pingos da chuva que já foi embora, respirando lentamente enquanto o café está sendo coado. Permanecer inalterado, apesar do silêncio do outro, do mundo e principalmente do nosso, é tarefa que aprendemos a destrinchar com o tempo, com as circunstâncias.

Nossas inconstâncias acontecem porque necessitamos estar sempre fazendo, indo de encontro, buscando, realizando e não nos atemos ao que é imprescindível agora, neste instante. E, muitas vezes, tudo de que precisamos é apreciar o nada que diz tudo dentro de nós, é ouvir a voz que nos tranquiliza e nos faz acreditar que cada coisa tem a sua vez.

Os dias podem ser traiçoeiros em suas longas horas, podem ser intermináveis, quando não conseguimos viver com sabedoria todos os seus minutos. Inúmeras vezes, valerão mais as anotações num caderno do que o dia da formatura, sorriremos mais com as conversas descontraídas numa roda de amigos do que numa ocasião solene e marcada por comemorações.

Fonte: Assessoria


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email

Banner publicitário Doutor Potência