Segunda-Feira, 06 de Julho de 2020

Pesquisa mostra que 182 mil pessoas em RO sentiram sintomas de síndrome

Geral - quinta-feira, 25/06/2020 às 21h51min
Pesquisa mostra que 182 mil pessoas em RO sentiram sintomas de síndrome
Imagem .GIF que ilustra campanha publicitária do Governo do Estado de Rondônia sobre o combate ao Coronavírus.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD Covid-19 mostra que 10,2% da população de Rondônia apresentaram pelo menos um dos sintomas associados à síndrome gripal e 30 mil pessoas tiveram sintomas conjugados (presença de perda de cheiro ou sabor ou tosse, febre e dificuldade para respirar ou febre, tosse e dor no peito), representando 1,7% da população rondoniense.

A Pesquisa foi realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) por telefone e refere-se ao mês de maio.

Os dados são semelhantes aos apresentados pelo país: 11,4% apresentaram pelo menos um sintoma e 2% apresentaram sintomas conjugados. Em Rondônia, das 182 mil pessoas que apresentaram um sintoma da doença, 153 mil não procuraram estabelecimento de saúde, ou seja, 84%.

Das 30 mil pessoas com sintomas conjugados, metade não procurou o estabelecimento de saúde, taxa igual à brasileira. Dos 562 mil domicílios rondonienses, 131 mil possuíam pelo menos um idoso e em 14,3% destes foi registrada a presença de, pelo menos, um morador com sintomas conjugados.

Em relação ao mercado de trabalho, a PNAD Covid-19 identificou que Rondônia e Brasil apresentam cenários parecidos quanto ao percentual de pessoas envolvidas na força de trabalho.

Neste aspecto, o único ponto divergente é a taxa de desocupação: enquanto o Brasil registra uma taxa de 10,8%, Rondônia tem 8,2%, índice influenciado pela alta informalidade no mercado de trabalho do Estado.

Dos 723 mil rondonienses na força de trabalho, 10,5% estavam afastadas de suas atividades no mês de maio e 89,5% permaneceram em seus postos. Das pessoas afastadas, 75,6% foi devido ao distanciamento social. Em nível Brasil, o percentual de pessoas afastadas foi de 22,5%.

Também mostra-se relevante o percentual das pessoas que foram afastadas (76 mil) e que deixaram de receber suas remunerações: 27 mil trabalhadores, representando 36% deste grupo. No Brasil, 51,3% dos afastados não receberam suas remunerações.

Fonte: Rondoniaovivo


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email

Banner publicitário Doutor Potência