Roberto Jefferson chora com nomeação de filha como ministra

Fonte: Congresso em foco

Quinta-Feira, 04 de Janeiro de 2018 às 13:06

Compartilhar matéria:

O ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) chorou ao comentar a nomeação da filha, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), como nova ministra do Trabalho. Em entrevista coletiva, Jefferson disse que se emocionou por orgulho e surpresa com a indicação da filha, feita, segundo ele, pelo próprio presidente Michel Temer, com quem se encontrou nesta tarde. “É a emoção que me dá. É um resgate”, disse entre lágrimas. “Não foi indicação. Eu não indiquei. Surgiu”, acrescentou.

Depois de cumprir pena de prisão no caso do mensalão, o presidente do PTB declarou que o episódio ficou no passado e que vai se candidatar a deputado federal. Mas, em vez de concorrer pelo Rio de Janeiro, estado pelo qual sempre se elegeu, desta vez vai disputar a corrida à Câmara dos Deputados por São Paulo. “O PTB nacional só será grande se for grande em São Paulo. É preciso fazer o partido crescer em São Paulo”, afirmou. Jefferson disse que as pesquisas que ele tem em mãos mostram seu capital político entre os paulistas.

O ex-deputado contou que se reuniu com Temer para discutir nomes para o Ministério do Trabalho. De acordo com ele, o próprio presidente questionou se Cristiane não aceitaria o cargo. O ex-deputado disse que fez, então, o contato com a filha, que aceitou não se candidatar à reeleição este ano em troca do cargo.

O prazo para ministros que desejam disputar as eleições termina no início de abril. Por esse motivo, Temer queria alguém que assumisse o compromisso de não se candidatar.

O nome de Cristiane recebeu o aval da bancada do PTB na Câmara. Ela substituirá o também deputado petebista Ronaldo Nogueira (RS), que entregou o cargo semana passada. A escolha da nova titular da pasta ocorre um dia após Temer ter desistido de nomear o deputado Pedro Fernandes (MA) a pedido do ex-presidente José Sarney (PMDB), com quem está rompido politicamente.

Cristiane Brasil exerce o seu primeiro mandato federal. Antes, foi vereadora no Rio por três legislaturas. Em abril de 2016 ela votou a favor da abertura de processo de impeachment da ex-presidente Dilma. Com a chegada de Temer ao poder, Roberto Jefferson voltou a ter influência no governo. Seu nome chegou a ser cogitado para o ministério. A deputada também votou a favor da reforma trabalhista, da ampliação das possibilidades de terceirização e da PEC do Teto dos Gastos, consideradas vitórias legislativas importantes de Temer. Ela se posicionou a favor do presidente ao ajudar a barrar as duas denúncias criminais contra o peemedebista no ano passado.

Delator do mensalão, Roberto Jefferson foi condenado à prisão por também receber recursos do esquema de corrupção em troca de apoio parlamentar. Em 1992 ele ficou conhecido como o líder da tropa de choque do então presidente Fernando Collor no processo de impeachment.

Outros dois petebistas estavam no páreo para assumir o Ministério do Trabalho. Sérgio Moraes (RS), que ficou conhecido em 2009 ao dizer que se “lixava” para a opinião pública ao defender um colega denunciado no Conselho de Ética, e Josué Bengtson (PA), que chegou a ser condenado pelo Supremo Tribunal Federal no caso da máfia das ambulâncias. Mas, devido à idade, ele escapou da punição, porque o crime prescreveu.

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Direção Geral: Vinicius Queiroz
Rua Reverendo Elias Fontes - N°1914, Agenor de Carvalho
Porto Velho/RO. 76820-294
Fone: 69-99993-4921