Disciplina e segurança são as principais mudanças na antiga Escola Manaus, hoje militarizada

Fonte: Rondoniagora

Quinta-Feira, 17 de Agosto de 2017 às 15:25

Compartilhar matéria:

Há três semanas da mudança de gestão e administração da antiga Escola Manaus para Colégio Tiradentes Unidade 7, em Porto Velho, a instituição de ensino já tem muitas mudanças, principalmente no quesito disciplina dos alunos e segurança da escola.

Segundo a diretora administrativa da unidade, tenente Cleíssa de Pontes, o maior problema na escola anteriormente era o domínio de grupos marginais que entravam e saiam do local, e tomavam a quadra de esportes sem que os próprios alunos pudessem usufruir da estrutura para a prática de atividades físicas.

“Agora a presença policial na escola é 24 horas, a escola não fica mais abandonada à noite, principal horário em que os furtos e depredações aconteciam. O quadro de professores foi mantido, e foram abertas vagas apenas para preencher as turmas de 6º ao 9º ano que não tinha aluno. Os pais não queriam matricular os filhos em uma escola como estava a esta aqui”, diz a diretora administrativa.

De aproximadamente 400 alunos matriculados, o número subiu para mais de 500. Não há mais vagas. Das 15 salas de aula, apenas sete estão em funcionamento. Em 2014 um temporal destelhou a maioria das salas desativadas e um incêndio destruiu uma delas. Um salão coberto será organizado para servir de academia de judô, aula que será ministrada por um dos militares da equipe da direção.

Os alunos seguem o padrão disciplinar da militarização, que aos poucos está exigindo os cabelos dos meninos cortados e das meninas amarrados, o uniforme e o comportamento dentro da escola, assim como a participação da hora cívica, quando os alunos se reúnem em filas no pátio para o hino nacional. 

“Os nossos alunos do EJA, à noite, são os que ainda apresentam um pouco mais de resistência, mas eu diria que uma resistência velada. Eles não falam isso abertamente. São adultos, e por isso exigimos mais a questão da ordem. Se não quer ficar em sala de aula, se quer sair da escola, não volta mais. A escola tem regras. Porque era assim que muitos saiam e voltavam trazendo a droga para dentro do ambiente escolar”, conta a tenente Cleíssa.

A gestão é compartilhada, entre Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesdec). A direção fica por conta dos militares, e a vice-direção continua sendo mantida por profissionais da Educação. “O que acontece aqui é que a escola em si não é violenta, a violência está no entorno do colégio, e é isso que está sendo controlado”, explica.

A tenente Cleíssa considera que a escola ainda não tem um regimento interno, e por isso ainda não está definido como será feito o processo seletivo para o próximo ano, mas adianta que certamente o comportamento e histórico escolar dos alunos serão levados em consideração na hora da matrícula. 

“Nós pretendemos fazer uma página no Facebook, publicar o regimento como exemplo da Unidade 2, localizada em Jacy Paraná, que é uma escola modelo, onde o conselho escolar de pais e alunos é um dos mais eficientes. Com a página, vamos pedir a opinião da comunidade escolar para fazermos o nosso próprio regimento, e unirmos forças com os pais, responsáveis e alunos e fazermos dessa escola também um modelo”, conta.

Uma parceria com o Exercito foi firmada e uma limpeza de entulhos deve ser realizada no local com a mão de obra dos soldados. A merenda escolar está sendo divida de forma a atender todos os alunos, já que quando foi distribuída no início do ano, o número de alunos era menor que o atual. 

Para manter o ensino fundamental desde o 1º ano, o capitão Suedi Rocha está em conversação com a Seduc e Semed para que sejam repassados os recursos de material didático e merenda escolar para a Unidade 7 e assim os alunos poderão continuar na mesma instituição. “Nós estamos fazendo o possível para não prejudicar esses alunos com essa transferência, mas mantermos todas as turmas, para acomodar a toda a comunidade”.

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Deputado Jesuino Boabaid se indigna com veto do governo

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Sessão Solene homenageia servidores da SEJUS

Direção Geral: Vinicius Queiroz
Rua Reverendo Elias Fontes - N°1914, Agenor de Carvalho
Porto Velho/RO. 76820-294
Fone: 69-99993-4921